Código de Ética da JD

 

 

O código de ética da JD communication foi desenvolvido ao longo de seis anos de trabalho e está de acordo com as normas internacionais das organizações de Coaching europeu e mundial.

A ética da JD é determinada pelos valores que servem de base à missão de vida dos coaches e da organização e assenta numa base muito simples: SERVIR. Estar ao serviço na promoção do bem-estar e da abertura de um maior número de possibilidades que reforcem a autonomia e a liberdade pessoal. Assim:

 

 

1. Conduta Profissional

 

a) O coach deve apenas fazer declarações públicas daquilo que faz efectivamente acerca dos seus serviços

e não produzir expectativas falsas e enganosas sobre as suas reais competências.

 

b) O coach deve identificar específica e correctamente as suas qualificações, competências, experiência, certificações e credenciais como coach.

 

c) O coache deve respeitar a autoria de conteúdos, matérias, procedimentos e metodologias, não os apresentando e anunciando como sendo seus. 

 

d) O coach deve identificar quaisquer questões pessoais que possam interferir negativamente no seu desempenho e prestação no processo de coaching. Devem por isso estar preparados para actuar de acordo com a ética, inclusive até terminar o relacionamento de coaching.

 

 

2. Conduta Profissional com Clientes

 

a) O coach deve apenas fazer afirmações e criar expectativas verdadeiras e realistas quanto ao que pode ser recebido pelos seus clientes no processo de coaching;

 

b) O coach deve honrar os acordos e compromissos assumidos no âmbito da relação de coaching;

 

c) O coach deve informar e detalhar aos seus clientes o que é o coaching e como funciona, o sigilo implícito,

o acordo financeiro e restantes detalhes referentes à relação de coaching;

 

d) O coach deve antecipadamente definir com o cliente especificidades no processo de coaching, nomeadamente no que respeita ao contacto físico e distância, tendo em conta o quadro de valores do cliente.

 

e) O coach deve manter uma relação estritamente profissional com o seu cliente, sob pena de dever interromper e dar por terminada a relação de coaching.

 

f) O coach deve respeitar o cliente quando este pretenda terminar o processo de coaching, bem como estar atento e saber identificar quaisquer sinais de que o cliente não está a tirar proveito do processo.

 

g) O coach deve assumir não estar preparado para um determinado contexto, indicando ao cliente uma alternativa, nomeadamente outro profissional ou outra empresa.

 

 

3. Sigilo Profissional

 

a) O coach deve assegurar o sigilo, a segurança e a privacidade quanto às suas notas, registos escritos ou gravados no âmbito da sua actividade profissional com os seus clientes. Qualquer divulgação deve ser anteriormente definida e contratada com o cliente.

 

b) O coach devem manter presente as políticas e princípios do sigilo e da privacidade bem como os standards de ética, conduta e qualidade de serviço, tanto aos seus clientes individuais como em contexto de formação aos seus formandos ou participantes.

© 2013 by JD communication - Portugal - jd@jdias.org - 913254041