O que é o Coaching

 

 

Coaching é uma metodologia para o sucesso, de acordo com uma estrutura de perguntas. À semelhança da Neurolinguística (PNL) e da Espiral Dinâmica, o Coaching não é uma ciência nem pretende ser uma verdade absoluta. O seu prestígio é fruto da experiência e de resultados. 

 

Encontram-se influências da Psicologia, da Psiquiatria, da Hipnoterapia, da Informática e da Linguística. O coach deve dominar e usar técnicas de linguagem que ajudem ao foco do seu cliente e à motivação para a acção e realização do que quer ser, fazer, atingir e ter.

 

É um método elegante, estruturado, de autoconhecimento e de descoberta de recursos que não estão a ser usados. No Coaching, o cliente assume a responsabilidade da sua transformação, sendo que o coach o acompanha nesse processo, fazendo perguntas para o desafiar a abrir cada vez mais e melhores possibilidades.

 

 

 

As Bases

 

A origem do Coaching moderno data dos anos 60, nos Estados Unidos da América, mas a sua base assenta no método socrático (a maiêutica), 400 a.C., criado pelo filósofo Sócrates, que usava a ironia e a pergunta para a procura de conhecimento.

 

Como exemplo temos a metáfora das 3 peneiras: Um homem aproxima-se para contar algo a Sócrates e este interrompe-o: «Espera, antes de falares, vamos fazer o teste das três peneiras: Primeira, isso que me queres contar é verdade?» O interlocutor confessa não ter a certeza da veracidade. «Segunda, gostavas que dissessem isso a teu respeito?» E novo categórico não. «Terceira peneira, ajuda alguém?, Resolve ou melhora alguma coisa?», ao que o outro responde não lhe parecer que ajude. Então Sócrates responde-lhe «como chumbaste nas três peneiras, é melhor não falares, pois não iremos beneficiar com a informação, apenas fomentar a discórdia e envenenar o ambiente entre pessoas...»

 

 

 

A palavra «Coaching»

 

1 - Século XV, cidade de Kocs, Hungria. Aí se constroem os cobiçados coches chamados de kocsi szeker, famosos pela sua qualidade. Os habitantes tinham o nome de kocsi e as carruagens de Kocs transportavam as pessoas de Budapeste para Viena. O paralelismo com o Coaching actual também retira daqui é o transporte de pessoas do ponto A para o ponto B. De um estado actual para um estado desejado, de um nível de consciência para outro.

 

2 - Século XVIII, Inglaterra, as corridas de cavalos com coche tornam-se num desporto para élites chamado de coaching. Os coches eram conduzidos pelos coachmen. É o primeiro registo semelhante à palavra tal como a conhecemos hoje.

 

3 - Século XX, anos 60, Estados Unidos, o treinador de ténis Timothy Gallwey implementa novos métodos de treino baseados no inner game (diálogo interno) dos jogadores. Os resultados dos seus métodos rapidamente o tornam famoso e recebe convites para trabalhar com empresas. Escreve vários livros sobre a temática: The Inner Game of Tennis, The Inner Game of Golf, The Inner Game of Work e o The Inner Game of Stress. Associa-se com John Withmore e criam ambos a estrutura actual do coaching. Conceitos, ética, o modelo de perguntas e a sua sequência.

 

4 - Coaching moderno, anos 90 até à actualidade. A palavra coach foi amplamente popularizada no desporto nos Estados Unidos, atribuída aos treinadores de beisebol, básquete e futebol americano. Vão surgindo associações internacionais, como a ICF - International Coaching Federation, a ICC - International Coaching Community e várias outras associações também europeias que pretendem regular os standards de qualidade e de ética profissional dos coaches. Emergem também variantes como Coaching de vida (Life Coaching) e coaching executivo (Executive Coaching), etc.

 

 

 

As Perguntas

 

A grande pedra-de-toque do Coaching reside no poder das perguntas. Responder a questões é a forma mais eficaz para encontrar saídas, soluções, abrir possibilidades e explorar novas maneiras de fazer as coisas. 

 

Sócrates passava o tempo a perguntar, na procura de soluções e novas abordagens junto dos seus discípulos. A maiêutica é composta por duas estratégias: a ironia e a pergunta. A ironia leva o interlocutor a duvidar do que pensa dominar e a pôr em causa a sua suposta sabedoria, desafiar preconceitos, pressupostos, contradições, etc. A segunda estratégia surge com perguntas para encontrar novos conceitos e formas de ver e pensar os assuntos.

 

A resposta está sempre na pergunta que se formula. Os melhores líderes são os que fazem as melhores perguntas e por isso obtêm as melhores respostas. Não sendo fácil definir o poder das perguntas, há uma regra universal que define o seu nível de eficácia: as melhores perguntas começam sempre por Como e O Quê. As perguntas mais frágeis iniciam com o Porquê ou Quem. As primeiras revelam soluções, oportunidades e possibilidades. As segundas promovem as justificações, desculpas e sentimentos de culpa.

 

Os profissionais de Coaching devem ser indivíduos bem resolvidos, isto é, que estejam de bem com a vida e saibam lidar bem com as emoções. É importante dizer que a experiência de vida é essencial para se estar à altura e ser um bom profissional. Não basta saber ou dominar técnicas, é importante ter percepção apurada, ter a sensibilidade necessária para saber o que fazer e como fazer e isso só se adquire com experiência de vida. Por último, a entrega ao outro é algo absolutamente fulcral nesta actividade. Tem de estar centrado na outra pessoa, não em si. O cliente é a vedeta, o sucesso de cada sessão é atribuído ao cliente, que fez o processo e deu um passo para uma vida melhor. 

COACHING 
Processo de Atracção do Sucesso
   Os 3C  do Coaching = Confidencialidade + Compromisso + Confiança

 

Atingir objectivos - Estruturar passos - Programar a realização desejada - Descobrir potencial
Encontrar caminhos - Explorar alternativas - Gerir melhor - Ajudar os outros

 

BEM-VINDO/A AO MUNDO DO COACHING

© 2013 by JD communication - Portugal - jd@jdias.org - 913254041